As metamorfoses vividas pelo Instagram

Nenhum comentário

16 de janeiro de 2018



Desde agosto de 2016, o Instagram deixou de ser um aplicativo com vocação para imagens para focar-se em conteúdo efêmero e vídeo ao vivo. Desde então, a dinâmica de transformação, lançamento de ferramentas e teste de formatos foi intensa para a empresa de propriedade do Facebook.

Em setembro de 2017, por exemplo, o app chegou a 800 milhões de usuários ativos por mês e 500 milhões por dia. Foi ele um dos responsáveis pelas dificuldades do Snapchat, que trouxe o formato original de conteúdo efêmero, em manter sua base de usuários em crescimento.

A efemeridade desses formatos dá um senso de foco ao usuário. “A atenção dele está apenas ali mesmo que por poucos segundos. Isso vem quase como um antídoto à dispersão causada pelo excesso de conteúdo na linha do tempo da maioria das redes sociais”.


Veja algumas mudanças recentes que modificou o formato do Instagram:

Novembro

Recurso para criar Stories e salvar publicações pela web do celular;
O usuário passou a ter uma nova maneira de compartilhar histórias e salvar suas publicações favoritas: acessando o instagram.com a partir do seu celular.

Recurso para solicitar a participação em um Live;
O usuário que está transmitindo um vídeo ao vivo passou a visualizar as solicitações de amigos que desejam participar ao tocar no novo ícone com dois rostos sorridentes. Nele, um número em vermelho mostra a quantidade de solicitações.

Outubro

Enquete para Instagram Stories;
As enquetes interativas no Instagram Stories permitem fazer uma pergunta e acompanhar os resultados dos seguidores à medida que eles votam. A interação acontece diretamente por meio do Instagram Stories. Recurso que permite que usuários façam transmissões ao vivo acompanhados de um amigo.

Agosto

Formato ao vivo com duas pessoas;
O Instagram inicia o teste de um novo formato ao vivo que permite às pessoas adicionarem amigos à transmissão. Com essa atualização, as pessoas podem adicionar um convidado para interagir ao vivo enquanto seus espectadores curtem e comentam, acompanhando a transmissão


Aumenta desconfiança sobre conteúdo de marcas

Nenhum comentário

5 de janeiro de 2018


O avanço da conectividade e o acesso dos brasileiros à informação criaram um ambiente de oportunidades para as empresas, mas também de muitos desafios. Segundo o estudo global Connected Life, desenvolvido pela Kantar TNS, os internautas do Brasil estão cada vez mais divididos sobre a confiança que possuem nas marcas e no conteúdo produzido por elas.

A edição deste ano do estudo considera a confiança relacionada a temas como tecnologia, conteúdo e dados. A evolução da tecnologia está possibilitando que as marcas se aproximem desse consumidor e desenvolvam experiências melhores de serviço, mas ainda há resistência. Os consumidores conectados estão divididos em aceitar a inteligência artificial: enquanto 40% dizem não ter nenhum problema em falar com um robô, se isso permitir uma resposta mais rápida, 41% estão totalmente contra.

A pesquisa ouviu 70 mil consumidores em 56 países durante o primeiro semestre, entre eles o Brasil, e constatou que 52% dos brasileiros acreditam que o conteúdo de marca gerado nas mídias sociais não é confiável, a média global representa 35%. Outro dado é o de que 45% se preocupam com o controle das redes sociais sobre aquilo que veem em seus feeds e 54% estão apreensivos com o nível de dados pessoais que as marcas têm sobre eles.



Em relação ao conteúdo, a pesquisa mostra que há cada vez mais desconfiança sobre o que é produzido nos canais de marcas. Sendo que 37% dos consumidores do Brasil declaram que o conteúdo publicado nas redes sociais não é relevante para eles e 52% acreditam o que veem nesses canais não é confiável, contra uma média global de 35%. Quase metade desses consumidores, 45%, expressam preocupação com o controle que as plataformas digitais têm sobre o que eles veem em seus feeds.

Sobre privacidade, as pessoas estão cada vez mais conscientes do preço que estão pagando por seu estilo de vida conectado: 54% dos entrevistados na América Latina expressaram preocupação com a quantidade de dados pessoais que as empresas têm deles, enquanto a média global é de 40%. “A transparência deve ser uma preocupação para as empresas. O consumidor não quer se sentir mais um, procura por um atendimento personalizado e quer que as marcas entendam seus reais problemas e necessidades”, diz Maura Coracini, head de Media&Digital da Kantar.


Os 20 maiores anunciantes do mundo

Nenhum comentário

2 de janeiro de 2018



Elaborado pelo Advertising Age, o ranking dos 20 maiores anunciantes do mundo leva em consideração os dados obtidos pela publicação e estimativas baseadas em informações fornecidas pelas empresas. Dentre estes anunciantes do mundo, todos ampliaram o investimento em mídia em 2017. No ano passado, essas companhias investiram US$ 267 bilhões, quantia 3,4% maior do que no ano anterior.

P&G, Samsung, Nestlé e Unilever lideram o ranking das empresas que mais investiram em publicidade no mundo no ano passado, segundo o AdAge. Mas o maior crescimento pode ser observado quando se olha para o mercado chinês, região que ostenta quatro dos maiores anunciantes do planeta.

Os investimentos em publicidade e promoções do Alibaba, maior varejista online da China, cresceram 50% no ano, alcançando o montante de US$ 1,3 bilhão – a maior alta entre todos os anunciantes do mundo. A empresa de internet Tencent ampliou seus investimentos em 48%, alcançando o valor de US$ 1,4 bilhão, o que a deixa na segunda colocação em termos de crescimento. A chinesa Saic Motor, a maior companhia automobilística do país, aumentou seu investimento publicitário em apenas 4%, alcançando US$ 1,6 bilhão. O grupo Yili, maior companhia de lácteos da China, fez um corte de gastos, mas, ainda assim, ampliou seus investimentos publicitários em 20%.

A maior parte dos investimentos publicitários das quatro grandes companhias foi feita na China, o segundo maior mercado publicitário global do mundo. O investimento em publicidade no país aumentou 8,7% em 2016 e deve crescer 7,4% neste ano, alcançando US$ 80,5 bilhões, de acordo com novo estudo da Zenith, do Publicis Groupe.

A Amazon já ocupa o 11º lugar no ranking global dos anunciantes, com investimento de US$ 5 bilhões – à frente de marcas como Ford, Coca-Cola e McDonald’s.

O top 10 do ranking inclui mais companhias de internet – como Tencent, Alibaba e Rakuten – do que no ano passado. Essas dez maiores empresas da lista ampliaram seus investimentos publicitários em 25,8%. 


Veja a lista dos 20 maiores anunciantes do mundo:

1- P&G (Estados Unidos)

2- Samsung (Coreia do Sul)

3- Nestlé (Suíça)

4- Unilever (Holanda)

5- L’Oréal (França)

6- Volkswagen (Alemanha)

7- Concast (Estados Unidos)

8- ABInbev (Bélgica)

9- General Motors (Estados Unidos)

10- Daimler (Alemanha)

11- Amazon (Estados Unidos)

12- LVMH (França)

13- Ford (Estados Unidos)

14- Toyota (Japão)

15- Coca-Cola (Estados Unidos)

16- Fiat Chrysler (Reino Unido)

17- Alphabet – Google (Estados Unidos)

18- Priceline (Estados Unidos)

19 – AT&T (Estados Unidos)

20 – American Express (Estados Unidos)
 
Layout Por : Lravilla Creations | All Rights Reserved.